No ritmo do verão

Enquanto a temperatura aumenta lá fora, cresce também a vontade de praticar atividade física ao ar livre. Mas cuidado porque a estação mais quente do ano esconde vários perigos para quem não se cuida!

Isso sem falar em Overtraining, quando o atleta acostumado a treinar abusa e sofre os efeitos da exposição excessiva a altas temperaturas. Nessas condições é comum surgir dificuldade para dormir, falta de disposição e irritabilidade. Pode ocorrer ainda desmaios devido a queda de pressão.

Muito além da perda de água e sais minerais levando a desidratação, o treino sob o sol forte pode elevar a temperatura do corpo causando hipertermia e  expor o praticante ao risco de insolação ou queimaduras.
Todos estes aspectos devem ser analisados na hora de escolher sua atividade, a forma como  vai desenvolve-la observando horários, vestimentas e limites.


imagem: site extra.globo.com

A desidratação é muito mais séria do que alguns podem avaliar. 
Ela compromete não apenas o desempenho das atividades como também prejudica as funções vitais do nosso organismo e os processos metabólicos. Com a redução de liquido no corpo o sangue fica mais espesso, diminui a pressão arterial e o funcionamento de rins, fígado e coração ficam alterados.
Além disso, os sais minerais também vão embora! 
A quantidade varia muito, principalmente pela intensidade da atividade e da característica de cada um de suar mais ou menos.
Para driblar esse problema, leve sempre aos treinos uma garrafinha de água de pelo menos 500ml e reponha o líquido a cada 30 minutos em média. Se for recomendado pelo profissional que acompanha você, incluía isotônicos nessa hidratação.

A hipertermia pode levar ao desmaio, pois o organismo não consegue estabilizar a temperatura interna do corpo com  o calor externo, usando toda sua energia para essa tarefa. Mas não pense que correr para um ambiente com ar condicionado, procurar por uma ducha ou mergulhar em uma piscina gelada pode ajudar.
O processo para adequação ao ambiente frio em casos onde a pessoa sofre com variações da pressão arterial, pode causar um choque térmico e aumentar o risco de acidentes vasculares.
O melhor, nesses casos, é molhar os pés, pulsos e o rosto antes de mergulhar na água.
             
Já a insolação desencadeia outros sintomas como falta de ar, dor de cabeça, pele quente, incapacidade motora , náuseas e tonturas. Assim como as queimaduras, pode ser facilmente evitada desprezando-se horários entre 10 e 16 horas para atividades. Além, é  claro, do uso do protetor solar e bonés, manter-se hidratado e priorizar roupas com tecidos que facilitem a transpiração são recomendados.

Aproveite os aspectos positivos da estação e garanta saúde na sua atividade.

Leia mais :


    

Os segredos por trás do pH

Manter o pH equilibrado é uma luta diária, mas necessária.Quando há um desnível nos pratos da balança Acidez X Alcalinidade, comprometemos nossa saúde física, mental e emocional.
Mas, para começar essa conversa, vamos entender direitinho o que é o pH.
A sigla que significa potencial hidrogênico identifica numericamente o grau de acidez ou alcalinidade no meio, medido entre 0 a 14, com 0 para o mais ácido e 14 para o mais alcalino.
Vamos traduzir isso para nosso organismo então!

As soluções que circulam pelo nosso corpo podem estar classificadas nessa escala, como por exemplo, o ácido do estomago que tem pH igual a 1 e do sangue venoso, com pH igual a 7,35.
Analisando esses dados, ficou estabelecido cientificamente que o pH do corpo humano deve permanecer entre 7,35 e 7,45. Sendo assim, alimentos mais próximos a 7 (sete) são considerados neutros ao nosso organismo. Os abaixo de 7 são os alimentos ácidos, e acima, os alcalinos.

Uma dieta rica em alimentos formadores de ácidos, estresse emocional, excesso de substâncias tóxicas e reações imunológicas que privam as células de oxigênio e outros nutrientes são fatores responsáveis por um quadro de acidez no organismo. E nessa hora, o corpo busca minerais alcalinos para reverter o quadro, sendo necessário atenção redobrada a uma dieta que contenha  sais minerais suficientes para essa ação.

Alimentos com pH ácidos, embora saborosos, são grandes vilões ao organismo: engordam, aumentam o apetite, ajudam na retenção de líquidos, alteram a pressão arterial além de contribuir para o acúmulo da gordura abdominal. Isso sem mencionar em doenças como reumatismo ou artrite.

Mas essa referência está relacionada ao forma como esses alimentos agem após serem ingeridos.
Quer um exemplo? com o limão é muito fácil de perceber: Consideradas ácida, a fruta é capaz de remover os íons de hidrogênio, reduzindo a acidez do corpo, o que o torna alcalinizante.
Por isso, essa acidez nada tem a ver com o sabor de um alimento.
Na tabela abaixo você pode conferir:



pH3  (muito ácido) refrigerante, água com gás, álcool, açúcares, frituras, embutidos e enlatados
pH4 - leite, vinho, chá preto, cerveja, chocolate, pipoca, torradas, picles, nozes, queijo, manteiga, creme de leite,  carne de porco, vinagre e molho de tomate.
pH5 - café, suco de fruta com açúcar, geleias, marmelada, doces e bolos com farinha branca, pão branco, trigo, amendoim, arroz branco e carne vermelha.
pH6 - leite de soja, chá, mel, floco de milho, aveia, arroz integral, farinha de trigo integral, feijão,
pH7 - água mineral
pH8 - damasco, maçã, abacaxi, morango, cereja, 
pêssego, goiaba, banana, laranja, amêndoas, folhas verdes escuras, aspargos, pimentão, milho, soja, arroz selvagem e nabo.
pH9 - tâmara, figo, amora, uva, caqui, maracujá, kiwi, melão, manga, abacate, melancia, tangerina, abóbora, batata doce, inhame, 
berinjela, mandioca, ervilha, lentilha, alface, gengibre e clara de ovo.
pH10 (muito alcalino) - sucos de vegetais, acelga, brócolis, couve, couve de bruxelas, couve-flor, espinafre, repolho, agrião, cebola, alho, lima, limão, pepino, rabanete e alcachofra.

Olhando essa lista tão curta de alimentos já é possível escolher melhor os alimentos que vão para seu prato, em quantidades que não prejudiquem o equilíbrio entre acidez e alcalinidade.

Leia mais...

  

Uma flor de energia em movimento

Se o melhor amigo da mulher é o diamante não sei dizer, mas que seu encanto é avassalador ninguém pode negar. Isso sem mencionar o mercado milionário que movimenta. Ainda que não exista mais o conceito de pedras semi preciosas, ganhando status de nobre o quartzo, a turmalina e o ônix.
Se pensando em uma única pedra, delicadamente lapidada, já podemos sentir o poder que ela exerce sobre nós, imagine conhecer um pouco mais sobre cada uma delas e sua interferência no espiritual?!!

O reino mineral é muito rico e o mais antigo da natureza, guardando informações energéticas que podem equilibrar o que esquecemos atrás das teclas do computador ou da correria do dia a dia. A energia pura desses “ossos” da terra é capaz de interferir no processo de cura do ambiente. Isso tudo porque uma pedra bruta emana vibrações que nosso corpo é capaz de entender!

E se você acha que isso tudo é só história, saiba que Carl Gustav Jung -  discípulo de Freud – estabeleceu uma conexão entre as pedras e o campo espiritual humano. Para ele, as pedras tinham o poder de equilibrar nossos campos energéticos e mais, funcionavam como captadoras e armazenadoras naturais, transmitindo e transmutando essas energias.
Através da nossa pele, o maior órgão sensorial do nosso corpo, podemos sentir essa energia e assim surgiram várias técnicas onde as pedras são utilizadas junto ao corpo.

Uma das técnicas mais difundidas é a aplicação das pedras sobre os chakras. Mas o que são eles?
Bem, em sânscrito a palavra significa roda de luz, o centro da força. Na prática, são pontos de conexão por onde a energia interna se comunica com o exterior, seja com o ambiente ou com pessoas.
Os clarividentes afirmam que os chackras se assemelham a uma flor com pétalas em movimento constante e harmônico.  Quando estão desenvolvidos, acredita-se que seu apsecto é como círculos individuais de uns cinco centímetros de diâmetro, que brilham vividamente em constante movimento circular. Quando essas rodas giram, a energia entra e sai continuamente.
Ao mesmo tempo recebem, transmutam e absorvem a energia buscando equilíbrio físico, emocional e mental. Eles têm o poder de aumentar ou reduzir a energia, moderando ou acelerando sua atividade de um campo para o outro, chegando a afetar tudo a sua volta.

Não é preciso se aprofundar nesse conhecimento para saber que somos todos compostos de nervos e órgãos sensoriais que interagem com o mundo físico exterior. Da mesma forma, dentro de nós, construímos energias individuais que devolvemos ao meio.
E para que tudo funcione em harmonia, um sistema sutil de canais (nadis) e centros de energia (chakras) cuidam do nosso ser físico, intelectual, emocional e espiritual.


O CHAKRA CORONÁRIO tem como função principal auxiliar na evolução. Quando em desequilíbrio, apresentamos falta de inspiração, e de esperança, confusão, tristeza, alienação ou hesitação em servir ao bem comum. Sua cor é o lilás e entre as pedras mais utilizadas está a Ametista, considerada uma das melhores pedras para a meditação. Possui um raio violeta que transmuta as energias, emoções e pensamentos negativos. Auxilia a acalmar os pensamentos e por isso, é  utilizada para inibir a insônia e as enxaquecas, além de prevenir vícios.

O CHAKRA FRONTAL  representa a mente e a intuição, pontos difíceis de manter o equilíbrio. Por isso, quando em desarmonia, desencadeia falta de concentração, medo, cinismo, tensão, pesadelos, e excesso ou falta de sono. Sua cor é o azul índigo e entre as pedras está o Lápis Lazuli, relacionado a processos de clarividência, espiritualidade e iluminação. Purifica a mente e o espírito, sendo indicado para problemas no sistema respiratório, garganta e pulmões, além de auxiliar no tratamento da depressão.

O CHAKRA LARÍNGEO tem como função principal auxiliar no processo de expressão, ajudando nos relacionamentos e na maneira de exteriorizar o que sentimos e o que pensamos. Em desarmonia, apresenta problemas de comunicação – geralmente de fala como guagueira – e falta de discernimento, levando a pessoa a falar demais, dizer bobagens ou o oposto,  falar pouco e "engolir sapos".Sua cor é o azul claro e entre suas pedras mais utilizadas está a Água Marinha, com seu poder de diminuir o medo do sobrenatural, iluminando a percepção da realidade, harmonizando os ambientes e acalmando os ânimos de quem está presente. Como está ligada a redução do stress, tem o poder de trazer a calma para os amantes. Atua no fortalecimento do fígado e dos rins.

O CHAKRA CARDÍACO é o centro das emoções, do amor e da sabedoria nas relações emocionais. É responsável pela estabilidade e confiança, além de trabalhar as manifestações reprimidas e as feridas emocionais. Quando em desequilíbrio gera depressão, instabilidade emocional, variação de humor e sensação de opressão ou peso no peito. Sua cor é verde e rosa, sendo comum utilizarmos a Esmeralda, capaz de trazer a sensação de abundância, equilíbrio físico, emocional e mental. Possui a capacidade de aumentar a sabedoria, ativar a memória e o subconsciente. Fortalece o sistema imunológico.

O CHAKRA PLEXO SOLAR tem como função principal o poder e a vontade. É nele que está abrigado o “ego” de cada um, nossos humores e auto controle. Com excesso de energia, leva o indivíduo ao egoísmo, egocentrismo, fúria, medo, ódio e dificuldade em assimilar/digerir. Já, quando está com baixa energia, a pessoa fica apática, sem força de vontade e insatisfeita. Sua cor é o amarelo e o Citrino  é uma das pedras mais utilizadas nesse chakra por sua ligação com o sol. É a pedra do dinheiro, da criatividade e da consciência cósmica. Desenvolve segurança e afasta pensamentos negativos.

O CHAKRA SACRO representa a criatividade e a vitalidade, tendo como função a sexualidade. Seu equilíbrio está ligado a nossa auto estima, energia sexual e bem estar físico. Em desequilíbrio, surgem as mágoas, sentimentos de culpa e medo (pecado), gerando dificuldades sexuais, ausência de objetivos, sentimento de impotência, confusão, ciúme, inveja ou desejo de possuir. Sua cor é o laranja e sua pedra é a Granada, muito usada quando se quer buscar vidas passadas. Ela purifica o sangue, traz coragem, rejuvenescimento e criatividade. Melhora a auto-estima, aumenta a paciência e a compaixão, além de proteger contra pesadelos.

O CHAKRA BÁSICO tem a função de garantir a sobrevivência, que inclui segurança e necessidades físicas básicas, como comer, beber e dormir. Em desarmonia gera insegurança, falta de vontade, atitudes violentar, ganância e por vezes, a pessoa passa a ter uma preocupação exagerada com a própria sobrevivência, tensão, o "viver para ter". Sua cor é o vermelho e sua pedra a Hematita, importante nos processos de cura, pois alivia a dor e cura feridas. Auxilia na  circulação do sangue e reumatismo. Melhora a auto-estima.

Alguns especialistas afirmam que a orientação do posicionamento do chakra e de suas cores são suficientes para se desfrutar dos benefícios dessa energia.
Assim, se quiser experimentar, após um banho relaxante deite-se de costas e posicione a pedra sobre os chakra correspondente. Para ajudar a relaxar, escolha uma música suave ao fundo  e escolha um local com iluminação difusa e tranquilo. Enquanto estiver deitado ali, procure manter seus pensamentos em coisas positivas. Fique atento a sua respiração, pausada e profundamente, por aproximadamente 15 minutos.

Leia mais...

 



Quem pode resistir ao Ceviche?

Impossível não mergulhar na cultura peruana quando a receita do dia é Ceviche.
Sua história está ligada as ancestrais culturas peruanas e, o primeiro registro oficial data de 2000aC no litoral norte do Peru  quando o povo Mochica marinava o peixe em suco de tumbo ou curuba (parecido com o nosso maracujá). Os Incas também fizeram parte dessa história, usando para marinar uma  bebida chamada “chicha”, fermentada de milho.  
Seguindo para os tempos pré-colombianos, a receita recebeu a pimenta "aji", muito picante e praticamente obrigatória nesse prato.

Como não precisa de fogo, no próprio barco após ser pescado, o peixe branco era cortado e temperado, ficando a receita associada aos pescadores. Aos poucos, o Ceviche dos pescadores invadiu as mesas aristocráticas e as cevicheirias espalharam-se rapidamente pelo Peru.

A base do ceviche é um peixe branco cru em suco cítrico acompanhado de algum tubérculo, à partir dai é possível fazer  milhões de variações. Mas, no mínimo três temperos, normalmente pimenta, cebola roxa e coentro 
O uso do limão para cozinha o peixe só oi usado a partir do século XVI quando chegaram os espanhóis.


Curiosidades sobre o Ceviche

Antigamente, o peixe era marinado por até cinco horas. Hoje, a  tendência é temperar e comer imediatamente.              

Chama-se "leite de tigre" o caldo do seu tempero e segundo a lenda peruana, quem o consome ganha a força do animal.

Tradicionalmente é servido com choclo (tipo de milho , mais claro e maior do que o brasileiro) e camote (espécie de batata cor de laranja).

Mas atenção! Por lá o Ceviche  deve ser consumido durante o dia. Entre eles é estranho que um prato cujo pré requisito para seu sucesso é que o peixe esteja fresquíssimos, e serve de pretexto para encontros informais.

Caderno de receitas: Caviche Peruano

No site do GNT encontrei a receita do Tradicional Ceviche Peruano
Chef Kenji - Killa Novoandino
Rendimento: 1 ceviche (individual)
Tempo de preparo: 20 minutos

Ingredientes:
7 limões (só o suco)
1 colher (chá) de coentro (picado finamente)
1 folha de alface
½ colher (chá) de salsão (picado finamente)
3 rodelas de batata doce (cozida e sem casca)
1 colher (chá) de pimenta dedo-de-moça (picado finamente)
½ colher (chá) de gengibre (ralado)
½ cebola roxa (cortada em julienne, sem o miolo)
½ dente de alho (ralado)
1 colher (sopa) de milho verde (cozido, só os grãos)
4 camarões grandes (limpos e cozidos, sem casca nem cabeça)
½ lula (cozida e cortada em anéis)
200g de peixe branco (cortado em cubos)
Sal e pimenta-do-reino (a gosto)

Modo de preparo:

Mantenha a cebola em água gelada até utilizar. Coloque o peixe em um bowl e tempere com sal, pimenta-do-reino, gengibre, alho, salsão, pimenta, gelo e a metade do coentro. Misture bem e deixe marinar por 2 minutos. Prepare o prato para montagem: coloque no fundo a folha de alface bem lavada. Acima dela, as rodelas de batata doce e o milho verde. Volte para a preparação, coloque dentro do bowl do peixe, a cebola roxa (sem água) e o limão. Misture bem e sirva. Finalmente decore com os camarões, a lula e salpique o resto da pimenta e coentro por cima do ceviche.


Leia mais...

    

Sem lactose para os pequenos

Meu filho tem diarreia, vômitos, está com a barriguinha estufada e não ganha peso!  
Mães atentas ficam aflitas para entender que está acontecendo e são essenciais para o diagnóstico de intolerância alimentar em bebês e crianças que pequenas não sabem explicar seus incômodos. 
São suas queixas, levadas aos consultórios periartríticos, contribuem para o fim  dos problemas.
Pelo menos em parte!
Descobrir que seu pequeno possui intolerância à lactose, por exemplo,  não é sinal de que tudo irá acabar bem! 

Dizer não aos prazeres do seu pequeno não é nada fácil, por isso é muito importante conhecer os riscos de se consumir esse  açúcar do leite presente em grande parte dos produtos industrializados.
Essa patologia acontece quando o organismo promove baixa produção de lactase - uma enzima localizada no interior do intestino delgado com a função de decompor a lactose (açúcar do leite) em carboidratos no processo de digestão.
Assim, a lactose é fermentada por bactérias gerando ácido láctico e gases carbônico e hidrogêneo, promovendo uma sensação de mal estar, aumentando a retenção de líquidos e causando nauseas, colicas e diarreias. A quantidade ingerida determina o grau da reação.

Essa intolerância pode aparecer ainda na fase da amamentação ou logo depois, quando o leite infantil é incorporado a dieta e representava, até pouco tempo, uma infância sem sorvetes, bolos e brigadeiros. 
E apesar de não por em risco a vida, ao consumir o leite e seus derivados, a dor abdominal causada por gases e naúseas dura mais que duas horas (o mal estar típico do estomago sensível dura até meia hora a 2 no máximo) e pode aumentar a retenção da água causando diarreia e colicas. Tudo isso pode evoluir para um a doença digestiva, como diarreia infecciosa.

Alguns médicos aconselham a introdução de suplementos de cálcio quando o leite deixa completamente a dieta. Nesse processo, consumir vegetais de cor verde escura como brócolis, couve, agrião e mostarda podem ajudar. Além disso, o consumo de nabo e peixes de ossos  moles como o salão e sardinha são outras recomendações opções.

Hoje encontramos muitos produtos fabricados com leite de soja, de aleaginosas e até mesmo de ovelha, com a indicação de consumi para quem deseja manter o gluten fora da dieta. Há também a opção de produtos acrescidos de lactase, que é possível encontrar nas farmácias. 
Mas lembre-se que o acompanhamento de um  nutricionista é essencial.

Salame de chocolate sem lactose

E como a assunto começou com as crianças, encontrei no site SemLactose uma receita simples e com o delicioso chocolate que os pequenos adoram!

Salame de Chocolate (sem lactose e sem ovos)
INGREDIENTES

    50g de açúcar
    100g de creme vegetal*
    100 g de biscoito de maizena picados
    50 g de chocolate em pó
    10 castanhas do pará ligeiramente picadas
    1 colher de chá de essência de baunilha
    6 colheres de sopa de creme de soja

PREPARO
Em uma vasilha misture o açúcar, o creme vegetal, o chocolate em pó, a essência de baunilha e o creme de soja. A mistura deve ficar homogênea e de consistência cremosa. Adicione as bolachas e as castanhas picadas. Corte um pedaço de uns 30 cm de papel manteiga e espalhe uma fina camada de óleo vegetal por cima do papel para ajudar na hora de retirar o papel manteiga. Coloque a mistura ao longo da largura do papel e enrole-o de forma a fazer um rolo, deixando um pequeno espaço nas laterais para fechar o papel. Leve ao freezer por 2 horas. Para servir, corte em fatias finas e sirva acompanhado de uma calda de frutas vermelhas, ou calda de maracujá.

Rendimento: 15 fatias

*Creme vegetal é o nome dado a margarinas que não contêm leite em sua composição.

Leia mais
  
   

Relaxar é preciso!

Relaxar na correria do dia a dia parece tarefa impossível. Por isso, nada melhor do que colocar na agenda um horário para você se desligar do mundo como qualquer outra obrigação. Uma sessão de Zen Shiatsu que dura em média de 50 minutos a 1 hora é um procedimento restaurador para o corpo e mente.Acho que não é muito para investir em você, não é mesmo?!

O método, completamente indolor, trabalha os meridianos do corpo (dos pés a cabeça ao todo são 12) e ao mesmo tempo faz o alongamento da musculatura, resultando no alívio da dor e auxiliando em processos de cura de cefaleia, disfunções digestivas, palpitações e incômodos musculares, além de estimular a concentração, tolerância e paz interior. 

Idealizado pelo japonês Shizuto Masunaga com base no shiatsu clássico, tem fundamento na crença que podemos exercer influência sobre o fluxo de energia - ou Ki - que flui pelo nosso corpo nos meridianos, induzindo uma resposta de regeneração e cura.
Por isso, atua no sistema energético do corpo, unindo o conhecimento da Tradicional Medicina Chinesa aos preceitos da filosofia zen, levando o paciente a entrar em contato consigo mesmo. 

Ao modelo do Shiatsu clássico - tratamento semelhante à acupuntura - onde pontos são estimulados através da pressão dos dedos, o Zen Shiatsu alia as palmas das mãos, cotovelos, braços, joelhos e pés como ferramenta para o terapeuta encontrar o ponto exato no corpo onde a energia está “estacionada”, abrindo novos caminhos por onde o sangue pode circular melhor, acalmando o sistema nervoso e estimulando o sistema imunológico. 

A sessão se inicia com o inspirar profundo do ar, em um exercício de respiração relaxante. Utilizando-se de óleos ou não, o terapeuta usa uma das mãos como apoio, chamada de mão mãe, garantindo a sensação de segurança. Enquanto isso, a outra passeia pelos meridianos procurando pontos de energia estagnada, com manobras de pressão, deslizamento, fricção e alongamentos, dissolvendo os bloqueios e ativando a consciência corporal sobre o emocional, mental e intuitivo. Entre as queixas mais comuns que levam as pessoas a procurarem essa prática estão a tensão, depressão, ansiedade, carência, insônia, cansaço ou fadiga constante, tristeza, hiperatividade infantil e até o medo. 

O bom mesmo é que, após uma única sessão, já é possível sentir o poder que essa técnica propicia, estabilizando o fluxo energético do corpo, colocando o organismo em sintonia com seu campo de energia. 

Aplicada por excelência como técnica preventiva, não deve substituir o tratamento convencional, apresentando-se como auxiliar em muitos casos na diminuição de dores. Mulheres grávidas, crianças e idosos devem ter um acompanhamento médico e receber um tratamento mais delicado. E por fim, apresenta contra indicação a pessoas com varizes, escoriações sobre a pele, manchas roxas provocadas por pancadas, artrite, artrose ou osteoporose. 

 E você sabe, a medicina oriental só acredita em saúde física se houver perfeito equilíbrio energético no corpo! Seria errado então afirmar que é uma forma de meditação já que durante os minutos da massagem entramos em contato com nós mesmos? 

O resultado é fantástico!

Agende-se


No próximo fim de semana a Glúten Free chega ao quinto ano de existência trazendo duas programações de palestras: Glúten Free/Zero Lactose e Alimentos Funcionais.
Direcionada ao público com sensibilidade, contribui para ampliar a discussão a respeito das patologias relacionadas... leia mais